Há abraços que transformam uma vida ®


Investir no Acolhimento Familiar

A experiência pioneira da Mundos de Vida prova - à semelhança do que acontece em todos os países europeus e desenvolvidos do mundo - que é possível que uma criança quando é separada dos seus pais, possa continuar a crescer no seio de uma família. 

Ao longo de 10 anos, através do nosso serviço de acolhimento familiar "Procuram-se Abraços, encontramos, formamos e acompanhamos mais de 120 famílias que, durante alguns meses, alguns anos, ou até que a criança atinja a idade adulta, acolheram ou ainda acolhem, em sua casa, crianças que por decisão das Comisões de Proteção e dos Tribunais não podiam continuar a viver com os seus pais. Desta, forma estas crianças não tiveram de viver numa instituição e puderam encontrar, como os nosso filhos, o carinho e amor de que todas precisam. 

Em cooperação com as entidades competentes em matéria de infância e juventude, a Mundos de Vida fez um investimento assinalável, não sendo o menos importante o que é necessário para se mudar a forma de pensar que ainda permanece no seio do sistema de proteção, quando todos sabemos que o povo português é um dos mais solidários, sendo por isso possível encontrar famílias de acolhimento nos locais onde vivem essas crianças, desde haja boa vontade e seja colocada energia nesse sentido.

Decorridos alguns anos de uma experiência bem sucedida no desenvolvimento do acolhimento familiar de crianças nos quinze concelhos onde trabalha, quando comparada com as boas práticas internacionias, a Mundos de Vida decidiu criar uma iniciativa que sensibilizasse, no plano educativo, a sociedade portuguesa para esta causa, para que todoas as crianças tivessem direito a crescer numa família e assim nasceu a "Missão Pijama", acreditando que quando se muda a forma de pensar o país muda e se forem muitos a mudar a forma de pensar o país muda mais depressa.

Já foi possível mudar as leis portuguesas que agora dizem que uma criança até aos seis anos deve viver no seio de uma família. É necessário agora levar a lei á prática para que todas as crianças possam crescer numa família, num ambiente se carinho, amor e compreensão, como consagra a Convenção Internacional dos Direitos da  Criança.

A experiência da Mundos de Vida tem sido fonte de inspiração e esperamos que nos próximos anos seja possível aproxiamrmo-nos dos números dos país europeus. Em Portugal, menos de 4% das crianças que foram separadas dos seus pais vivem numa família de acolhimento (as outras 96% estão numa instituição), quando não existe na Europa país com menos de 50% de crianças em acolhimento familiar, subindo para mais de 90% nalguns deles que, à semlhança de Portugal, há vinte anos atrás, tinham as mesmas crianças a viver em instituições.

Costuma-se dizer em termos intrenacionasi que o principal obstáculo para reduzir a institucionalização das crianças é o facto dos organismos serem atraidos pela "irrestível tentação de fazer o mais fácil". É muito mais fácil criar um centro de acolhimento (nós conhecemos a realidade porque temos dois pequenos centros de acolhimento) do que procurar, formar e acompanhar famílias na comunidade onde vivem.

O desenvolvimento do acolhimento familiar é por isso um grande desafio que nos obriga a atuar em vários domínios até que se encontrem as famílias necsssárias para acolher as crianças em situação de risco. Na galeria deste site, pode ver vários videos com testemunhos de famílias sobre as suas experiências. Aqui, deixamos, a título exemplificativo, uma resenha de ações variadas relacionadas com promoção e realização do Acolhimento Familiar.

Ações realizadas em favor do Acolhimento Familiar

- Campanha “Procuram-se Abraços” de captação anual de novas famílias de acolhimento; 

- Cursos de Formação gratuita de famílias de acolhimento (inicial e contínua).

- Apoios às crianças e às famílais de acolhimento a titulo de compensação por algumas despesas significativas relacionadas com a criança/jovem, como: Bolsa de Estudos (atribuída no início do ano letivo, para material escolar, livros, etc); Apoios na Instalação do Acolhimento (aquando da chegada da criança para a aquisição de roupa, calçado, entre outras), ajudas técnicas (carrinhos de bebé, cadeiras, fraldas), e Apoio para Despesas de Saúde especiais, tais como, consultas de especialidade, terapia da fala, consultas individuais de psicologia, cujas problemátyicas ocorrem com mais frequências em crianças em risco, em função das necessidades individuais de cada criança e família.

- Jornadas técnicas e workshops anuais dinamizados por especialistas nacionais e internacionais (Paulo Delgado, Vânia Pinto, Jorge Del Valle, Perés Amorós, Jesús Palacios e Robbie Gilligan), destinados a técnicos e demais profissionais que exercem funções na área da proteção à infância (técnicos de diversas entidades, magistrados, procuradores da república, investigadores), com vista a aprofundar conhecimentos, partilhar experiências e criar momentos de reflexão subordinadas à temática do acolhimento familiar.

- Edição de livro "Acolhimento Familiar de Crianças - Pelo direito de crescer em família", para assinalar os 25 anos da Convenção sobre os Direitos da Criança, sob a coordenação do Professor Paulo Delgado, contou com a participação especial de Jorge Del Valle e Jesús Palacios, dois dos maiores investigadores europeus da atualidade nesta matéria e foi distribuído gratuitamente a todas as Comissões de Proteção do país, aos Tribunais e serviços da Segurança Social. Neste livro divulgam-se, concisamente, os ensinamentos científicos, as boas práticas associadas ao desenvolvimento desta medida de proteção e enumera princípios, valores e finalidades do acolhimento familiar, bem como a experiência da Mundos de Vida ao longo dos últimos anos. Pode ser adqurido através da nossa Loja dos Abraços em http://www.mundosdevida.pt/LojaAbracos/livros_e_coisas_Livro

- Apoio à criação do Centro de Estudos Comparados em Família e Criança

A ideia da criação do Centro de Estudos Comparados em Família e Criança nasceu da necessidade sentida, por diversos profissionais, em aumentar o nível de conhecimentos em matérias relacionadas com a área da proteção à infância, quer no âmbito das crianças em risco, quer do apoio à sua família. Em vez de se "inventar a roda", a ideia foi criar um centro de estuidos comparados do que de melhor se faz na Europa e no mundo nesta área da proteção à infância. O Centro de Estudos Comparados pretende, desta forma, a partir da análise de experiências consideradas de sucesso e inovadoras, traduzir, adaptar e divulgar boas práticas ou modus faciende.

A ideia surgiu em 2016 e neste ano procedeu-se à conclusão da constituição efetiva do Centro de Estudos que funcionará na Escola Superior de Educação/IPP (Porto) e estará aberto a todos os investigadores e pessoas interessadas neste tema.

Os resultados do Acolhimento Familiar

Ao longo de dez anos, desenvolvemos a resposta de acolhimento familiar, com base num modelo de qualidade inspirado nas boas práticas internacionais, primeiro, através de um projeto piloto no concelho de  V. N. de Famalicão que viria a ser alvo de uma avaliação externa coordenada pelo professor Pere Amorós (Universidade de Barcelona) e, depois, em função do sucesso obtido, alargado para quinze concelhos nos distritos de Braga e do Porto.  Ao longo do tempo, contamos com a cooperação de responsáveis e profissionais nas CPCJ, nas Autarquias, nos Tribunais e na Segurança Social, essencial para os bons resultados alcançados. Até hoje, já foram mais de 140 crianças as que não precisaram de ser institucionalizadas e puderam viver em famílias de acolhimento, num ambiente mais terno, seguro e positivo.